Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

PDV News - Ponto de Venda com Ponto de Vista | 26 Nov, 2020

Scroll to top

Top

0

Perspectivas para 2009 - Três Comites do POPAI Brasil comentam suas opiniões sobre 2009 - PDV News

COMITÊ DA INDÚSTRIA PREVÊ CRESCIMENTO DE 6% DO SETOR EM 2009
Por Rogério Lima,VP de Indústria

O impacto da crise financeira mundial no setor de merchandising poderá ser sentido de forma indireta, caso o setor industrial desacelere acima do esperado. No caso das empresas multinacionais, a pressão por maiores lucros junto a países emergentes, como o Brasil, já está sendo observada neste fim de ano e, nas indústrias nacionais, o maior risco será a perda de crédito no mercado como um todo e como economia reagirá nesse sentido“.
Essa é a análise do VP do Comitê de Indústrias do POPAI Brasil, Rogério Lima, que acredita que a única forma de proteger o merchandising nesse cenário adverso é sempre investir em ações com a melhor relação custo x benefício possível.
“A indústria sempre busca mensurar seus resultados versus o planejado. Quanto melhor forem essas análises, maior será o investimento industrial no setor, garantindo retorno sobre o montante investido. A previsão é de que haja um crescimento de 6% em 2009 comparado a 2008”, informa.
Sobre as tendências apontadas para a evolução do visual merchandising, Lima aposta que o segmento industrial deve intensificar o uso da sinalização digital (Digital Signage) no ponto de venda, com o enorme desafio de payback com sell out dos produtos ofertados e a necessidade de haver maior união e profissionalismo da cadeia. É fundamental que indústria, agências, fornecedores e o próprio varejo compreendam os anseios e desafios de cada célula para fortalecer o setor como um todo.
Dentre as missões propostas pelo Comitê de Indústrias para 2009, Rogério destaca a necessidade da divulgação da informação, do fortalecimento do network, da apresentação das melhores práticas de visual merchandising, da divulgação de cases e iniciativas desenvolvidas para destacar o ponto-de-venda, além da sinergia com outros comitês criados pelo POPAI Brasil. Como cada um representa um elo da cadeia, o executivo acredita que é fundamental que haja essa interação entre os representantes e seus associados por meio de reuniões conjuntas.

COMITÊ DE AGÊNCIAS BUSCA A VALORIZAÇÃO DO TRADE MARKETING
Por Maurício de Paula, VP de Agências

A cada ano o merchandising no ponto-de-venda ganha maior importância no mercado. Um exemplo é o interesse das empresas no segmento de consumo que têm direcionado verbas cada vez maiores para produzir materiais diferenciados, estruturar departamentos de trade marketing e contratar profissionais especializados. A tendência é que ocorra um crescimento do setor de visual merchandising de 7% em 2009 em comparação ao resultado deste ano.
Apesar das estimativas favoráveis, o VP do Comitê de Agências do POPAI Brasil e Diretor Comercial da Questro Promoção, Maurício DePaula, alerta que o mercado ainda desconhece o potencial de trabalho das agências de trade marketing e como elas podem ser estratégicas e eficazes na elaboração e execução do planejamento de comunicação.
Para investir na valorização do profissional de trade, o Comitê procurou, neste ano, conscientizar as empresas sobre as vantagens de contratar agências especializadas e até desenvolveu uma tabela de custos para balizar o mercado sobre preços praticados, criando parâmetros de referência. “Em 2009, a missão do Comitê é ampliar o rol de agências que seguem essa tabela, entender cada vez mais as necessidades do cliente, buscar a excelências nos serviços prestados e contar com a participação mais ativa dos associados”, explica
DePaula também sugere a criação da cadeira de trade marketing nas universidades, para garantir uma formação mais específica aos profissionais da que vão atuar no varejo ou na indústria.
Para o executivo, o sucesso das ações desenvolvidas no ponto-de-venda engloba o desenvolvimento de pesquisas de mercado para entender o comportamento de compra e as reais necessidades do consumidor; a definição do target, além de um estudo de cada espaço onde será implantada a ação e o envolvimento do varejo no planejamento dessas atividades; o desenvolvimento de materiais promocionais criativos e funcionais e, por fim, a escolha de uma agência que entenda de fato desse segmento para otimizar resultados. “O processo global de comunicação deve ser dirigido pela marca em conjunto com as agências especializadas em cada segmento, para que haja maior eficácia nas ações desenvolvidas”, acredita.

COMITÊ DE FORNECEDORES INVESTE NO FORTALECIMENTO DA CATEGORIA
Por Flávio Barcha,VP de Fornecedores

O desenvolvimento de materiais de ponto-de-venda nos últimos anos vem passando por muitas transformações, exigindo das empresas investimentos significativos em tecnologia e na necessidade de se adequar aos novos tempos.
Para Flávio Barcha, VP do Comitê de Fornecedores do POPAI Brasil e Diretor Presidente da ICB, os desafios da categoria são inúmeros, afinal, é preciso que as empresas busquem cada vez mais soluções inovadoras para agregar valor aos produtos e se conscientizem da função estratégica que o display ocupa na comunicação visual do PDV e o quanto é preciso aliar design, estilo, funcionalidade à preocupação ecológica na produção desses materiais.
É cada vez maior a preferência dos clientes por materiais de PDV que sejam menos agressivos ao meio ambiente, como PET e PS ou pelos displays produzidos com materiais reciclados, em detrimento ao PVC. Lâmpadas e reatores têm sido substituídas por LEDs (Diodos emissores de luz) no desenvolvimento dessas peças, pois não exigem manutenção, tornando a operação mais econômica e sustentável.
O Comitê pretende destacar o papel que os materiais de ponto-de-venda desempenham dentro da comunicação visual. Barcha acredita que ainda falte uma conscientização por parte de muitas empresas em investirem mais na concatenação de ações publicitárias com a valorização do ponto-de-venda e até faz um alerta: muitas vezes, o plano de mídia é impecável, mas ao relegar os materiais de PDV a um segundo plano, compromete-se a eficácia dos resultados. “O PDV precisa ser visto como um portal para o fortalecimento dessas campanhas”, informa.
Mesmo com o atual macro ambiente conturbado diante da crise financeira mundial, o executivo acredita que é fundamental a manutenção dos níveis de investimentos, seja com a ampliação das fábricas, aquisição de novos equipamentos, treinamento e qualificação de mão de obra para que haja o amadurecimento de toda a cadeia. Barcha aposta que os níveis de crescimento do setor serão mantidos, pois as indústrias já se conscientizaram de que a relação custo/benefício de materiais de merchandising é altamente favorável, com altas taxas de retorno (payback curto) especialmente se comparada com outras formas de mídias.
Em 2009, Flávio Barcha pretende fortalecer ainda mais a categoria de fornecedores de PDV, qualificando essas empresas por meio dos aspectos tecnológicos e até pelos procedimentos éticos utilizados na condução de seus negócios. ”O parque industrial é pujante e caracterizado por empresas cada vez mais estruturadas e capazes de atender as demandas crescentes desse mercado. Por isso cabe ao Comitê valorizar as empresas que atuam de forma profissional em detrimento a eventuais aventureiros que possam se utilizar de práticas condenáveis, ocupando espaços e denegrindo a imagem da categoria no mercado”, informa.

Fonte: Popai Brasil
Adaptação: Renato Santhinon CSO Grupo HSD

Comentar