Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

PDV News - Ponto de Venda com Ponto de Vista | 22 Nov, 2017

Scroll to top

Top

0

O Varejo de Olho nas Comunidades - PDV News

O Varejo de Olho nas Comunidades

O consumo nas comunidades cariocas movimenta R$ 13 bilhões por ano, segundo pesquisa realizada pelo Data Popular sobre o crescimento da classe C nas periferias da cidade divulgada nesta quarta-feira (20).

Em 2001, a classe D representava 48% da população das favelas do Rio. Em 2011, a participação deste grupo caiu quase dois terços, para 20%.

No mesmo período, a classe C mais que triplicou, saltando de 20% para 66% dos moradores.

O Data Popular entrevistou 500 homens e mulheres entre 15 e 25 anos em cinco favelas cariocas: Complexo do Alemão, Rocinha, Chatuba, Salgueiro e Cidade de Deus.

O levantamento ajuda a entender um pouco mais sobre os hábitos de consumo da população das favelas, segundo o instituto.

DE MARCA

A marca de uma cerveja, por exemplo, é citada com a razão que leva 51% dos consumidores à sua decisão de compra. A qualidade é citada como a segunda razão (35% dos entrevistados) e o preço, a terceira (15%).

A referência de uma marca também é a principal razão para a compra de outros produtos como tênis, refrigerantes e roupas, a Ambev já muito ligada neste movimento econômico criou o projeto Bar de Responsa, veja abaixo como funciona o programa:

Criado pela Ambev, em parceria com diversas ONGS,o programa Bar de Responsa desenvolveu um conjunto de estratégias e ações para conscientizar e incentivar bares a não vender álcool para menores de 18 anos (isso é quase impossível nas comunidades, até porque se não vender morre) e para jovens alcoolizados. Estes bares estão nas comunidades ou no entorno do local de atuação das ONGs parceiras da Ambev no programa Jovens de Responsa.

Dona de ponto de venda em Salvador (BA) assina Termo de Compromisso e, trabalho desenvolvido pela ONG Cipó em parceria com a Ambev.

Dona de Ponto de Venda em Salvador (BA) assina Termo de Compromisso e, trabalho desenvolvido pela ONG Cipó em parceria com a Ambev.

Cabe à ONG mapear os bares do entorno, visitar bares selecionados para apresentar os objetivos do programa. Donos de estabelecimentos que participam da iniciativa devem cumprir regras básicas, como ter mais de cinco anos de presença na comunidade e assinar um Termo de Compromisso.

Quem faz atendimento no ponto de venda tem como tarefa perguntar, em qualquer circunstância, o ano de nascimento dos jovens e solicitar o RG, não efetivando a venda para menores de 18 anos. Também devem não vender bebida para pessoas já alcoolizadas.

Ao final de um período de dois a três meses, a comunidade irá eleger três Bares de Responsa que mais se destacaram como referência nas práticas de Consumo Responsável. Os estabelecimentos eleitos ganham como prêmio, da Ambev, uma reforma de suas instalações, com pintura completa, uma nova fachada e um conjunto de mesas, cadeiras e cervegelas, além da possibilidade de escolher a identidade visual.

Cada organização realiza as ações do modo mais adequado à sua comunidade. A ONG Aprendiz, por exemplo, fez votação virtual, enquanto a Cufa promoverá eventos nos bares.

Em 2011, um total de 355 bares foi sensibilizado por todas as organizações, com quatro premiados.

Comentar