Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

PDV News - Ponto de Venda com Ponto de Vista | 14 Dec, 2018

Scroll to top

Top

Posts ByRenato Santhinon, Autor em PDV News - Página 845 de 845

Marcas: Ceratti

6 de maio de 2005 |
A mortadela CERATTI é um item de qualidade e sabor dentro de qualquer pão. Seu aroma e sua coloração parecem ser únicos dando água na boca em qualquer mortal, mesmo que este esteja bem alimentado. É por tudo isso, que no Brasil, mortadela de qualidade possui uma única marca: CERATTI.
A história
A história da CERATTI começou em Castelmassa, uma cidade de 6.000 habitantes, às margens do Rio Pó, no norte da Itália. Lá nasceu, em 1897, Giovanni Ceratti. De uma família modesta, terceiro filho de uma prole de quatro, cresceu, estudou e provavelmente nunca teria conhecido o Brasil, se a Itália não tivesse entrado na Primeira Guerra Mundial e sofrido as suas conseqüências. Giovanni era dirigente do Sindicato dos Ferroviários e sentiu que a subida de Mussolini e do Partido Fascista ao poder era o início de uma era de repressão e perseguição política. Havia a possibilidade de terminar na cadeia, cedo ou tarde. Decidiu então vir para São Paulo, no Brasil, onde alguns amigos seus estavam trabalhando. Chegou aqui aos 27 anos de idade, em 1924, e começou a trabalhar em uma marcenaria. Conheceu Inês Saravalli, casaram-se e tiveram um casal de filhos.
Mas o destino não quis que Giovanni tivesse sossego. Inês faleceu ao dar a luz a um terceiro filho, deixando Giovanni viúvo, com duas crianças pequenas. Então, conheceu a família Tosi, comerciantes, apaixonando-se por Gina, a filha caçula. Reuniu suas economias e comprou um terreno na Vila Heliópolis, na periferia da cidade. Giovanni construiu aí sua casa e um pequeno açougue, iniciando assim seu próprio negócio. Seu sogro, vendo as dificuldades por qual passava, o aconselhou: “Por que você não fabrica no seu açougue alguns frios italianos que a gente não encontra aqui?”. E foi assim que nasceu a CERATTI em 1932. Começou a fabricar tradicionais frios italianos como o “cotechino”, “panchetta”, “sopressata” e o “zampone”. Tudo era feito de forma artesanal pelo próprio Giovanni. A colônia italiana que morava em São Paulo, saudosa dos produtos de seu país de origem tornou-se cliente.


A procura por estes frios foi tão grande que em pouco tempo, em 1936, Giovanni abandonava a venda de carne fresca e se dedicava exclusivamente à fabricação de frios e embutidos de primeira linha. O nome CERATTI ficou ligado desde o início à qualidade de seus produtos. Supervisionando pessoalmente a elaboração diária dos produtos, com a ajuda de D. Gina Tosi, Giovanni estava construindo, sem saber, a marca de mortadela mais tradicional do mercado brasileiro. A preocupação com a qualidade e com o cuidado na preparação de seus produtos era tanta que ele optou por manter seu negócio quase artesanal, resistindo a tentação de produzir em grande escala. Surge daí o crescimento da distribuição da CERATTI, fornecendo diretamente para as principais casas de frios da época, primeiramente na região metropolitana de São Paulo, fato que possibilitou o início do reconhecimento da marca pelo imenso público não pertencente à colônia italiana.


Na década de 40 a empresa já possuía uma equipe de vendas própria, atendendo toda a capital e o ABC. A empresa continuou crescendo, e ao longo dos anos 60 e 70 o agora frigorífico sofreu sucessivas reformas para atender a demanda do mercado. A produção que em 1953 era de aproximadamente duas toneladas por dia, passou para quatro toneladas por dia em 1960 e para sete toneladas por dia em 1970. Em 1972, o Frigorífico CERATTI passou a ser fiscalizado pelo Serviço de Inspeção Federal, passando a distribuir seus produtos em todo o território nacional. Na terceira geração, a CERATTI é um exemplo peculiar de empresa brasileira de médio porte, capital familiar e que deu certo.

O ícone
A mortadela foi criada em 1661 na cidade italiana de Bolonha. Mas para os brasileiros, parece ter sido criada na década de 30 pela CERATTI. Para se ter idéia da força da marca, e de sua mortadela é claro, dos 39 box do mercado central de São Paulo que utilizam mortadela para fazer o famoso sanduíche com pão francês, 36 utilizam a iguaria da marca CERATTI. Atualmente a CERATTI produz vários tipos de mortadela: tradicional (mortadela Bologna), com azeitonas, com picles, com pistache, sem gordura, com menos gordura (light), menos picante, e a Bambina (marca mais popular de mortadela da empresa).
Para fabricar a tradicional mortadela CERATTI, o primeiro passo é misturar as carnes, condimentos, aditivos e água. Essa massa é em seguida emulsionada e novamente misturada com o toucinho suíno (a bolinha branca da mortadela), que foi antes cortado em cubos e escaldado. A temperatura da matéria prima, da água, da massa e da emulsão resultante é controlada durante todo o processo. A massa da mortadela pode ser então embutida em tripa de fibra de celulose em vários tamanhos (de 0,5kg até 110kg) ou em bexiga bovina. Para o cozimento, utilizamos estufas de ar quente e seco, com tecnologia italiana. Cada lote de mortadela fica na estufa de 10 a 18 horas, dependendo do diâmetro da peça. O processo de cozimento chega ao fim quando o centro da peça de Mortadela atinge 72o C. Em seguida as peças são resfriadas, primeiro com choque térmico, de água gelada e depois em câmaras frias, até atingirem uma temperatura de 20o C. Após o resfriamento as peças são embaladas a vácuo e acondicionadas em caixas de papelão e estão prontas para serem entregues. O transporte até os clientes é feito com os mesmos cuidados que foram respeitados durante o processo de produção. É importante ressaltar que em nenhum momento a matéria prima ou os produtos tiveram qualquer contato com o ambiente externo. Os mesmos cuidados e a mesma tecnologia são aplicados a todos os produtos CERATTI que chegam até o consumidor.



Outros produtos
Além da tradicional mortadela, a CERATTI porduz ainda uma enorme variedade de embutidos como apresuntado, presunto, pastrami, fiambre, lombo (canadense, condimentado e com ervas finas), bacon, codeguim, panceta tipo italiana (barriga do porco enrolada, defumada e envelhecida com especiarias, principalmente pimenta, cravo e alecrim), zampone (pata de porco cozida e recheada com carne e gordura), lingüiças (toscana, calabresa e de pernil), lagarto cozido defumado, picanha cozida defumada. Além disso, a empresa possui uma linha, chamada Food Service, direcionada especificamente a estabelecimentos comerciais, comercializando produtos como bacon fatiado, presunto em cubos, presunto redondo fatiado e lingüiça calabresa fatiada.




A fábrica
Já na entrada da moderna fábrica da CERATTI, inaugurada em 2005, em Vinhedo (interior de São Paulo), o aroma denuncia que a linha de produção trabalha a todo vapor: são 50 toneladas por dia de embutidos como mortadela, presunto, lingüiça e rosbife que complementam uma linha com 80 itens. E tudo com muita tecnologia e eficiência. O projeto foi desenvolvido respeitando as normas da Comunidade Européia para fábricas de produtos de origem animal. Toda a área de processo é mantida a temperatura constante (15o C) e para acessar a fábrica, todos os funcionários passam por um rigoroso processo de higienização, com lavagem e desinfecção de botas e mãos e uso obrigatório de luvas descartáveis e máscaras.


As carnes bovinas e suínas são adquiridas de frigoríficos exportadores, através de contratos de longo prazo, com entrega em carretas frigoríficadas, em padrão “just-in-time”. Os cortes resfriados já chegam embalados e separados, prontos para utilização. Isso dá grande agilidade no processo, permitindo que a CERATTI mantenha um estoque médio de 4 horas de produção. O recebimento é feito através de docas especiais, que evitam qualquer contato da carga com o meio externo. As carretas e baús são lavados e desinfetados antes do descarregamento, que só acontece se os padrões de temperatura, pH, cor e aspecto das carnes estiverem corretos e não houver avaria na embalagem.



Dentro da fábrica, as carnes são armazenadas em containeres de PVC, com capacidade de 500 kg cada. Todo lote de matéria prima é identificado, assim como todo lote de produção, permitindo facilmente rastrear e identificar qualquer ocorrência. O mesmo processo acontece com condimentos, aditivos e embalagens, que são recebidos em docas separadas. Em área específica, os condimentos e aditivos são preparados e pesados em lotes, conforme a carga de produção diária. A fábrica produz mais de 8.600 toneladas de embutidos anualmente.



Dados corporativos
● Origem:
Brasil
● Fundação:
1932
● Fundador:
Giovanni Ceratti
● Sede mundial: Vinhedo, São Paulo, Brasil
● Proprietário da marca:
Frigorífico Ceratti S.A.
● Capital aberto: Não
● Presidente:
Mário Ceratti
● Faturamento: R$ 90 milhões (estimado)
● Lucro: Não divulgado
● Fábricas: 1
● Presença no Brasil:
Sim
● Maiores mercados:
São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília
● Funcionários:
150
● Segmento: Alimentos
● Principais produtos:
Mortadela, lingüiça, rosbife, presunto
● Ícones: A mortadela
● Website:
www.ceratti.com.br

A marca no mundo
A CERATTI, que atua na produção e comercialização de alimentos embutidos, frios e resfriados à base de carne bovina (dianteiro) e suína (paleta), emprega atualmente 150 pessoas e vende seus produtos (mais de 80 tipos) em quase todo território nacional. Em sua linha de produtos estão a mortadela, lingüiças frescas, especialidades italianas nacionais e importadas, presuntos, pizzas e pig beef (rosbife). O forte da marca, no Brasil, é o mercado de balcão: a boa padaria, que absorve 80% da sua produção. No segmento de mortadela premium, a marca CERATTI é líder absoluta com mais de 80% do mercado, segundo AC Nielsen. Concorre com a Speciale, da Sadia, a Ouro, da Perdigão, e com as importadas com a Negroni e Fiorucci.

Você sabia?
Embora seja uma marca de controle familiar, a CERATTI tem a reputação de ser administrada de forma transparente, profissionalizada e ética. A empresa jamais esteve envolvida em escândalos de gestão, financeiros ou comerciais.


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Exame, Veja, Época Negócios, Isto é Dinheiro), sites especializados em Marketing e Branding e Wikipedia (informações devidamente checadas).

Última atualização em 3/2/2009

MARCAS: TICKETMASTER

3 de maio de 2005 |


Quer comprar os melhores lugares para espetáculos e eventos musicais, culturais e esportivos de forma rápida, sem fila e segura? Procure então a TICKETMASTER, maior vendedora de ingressos do mundo, que proporciona a seus clientes entretenimento e diversão com eficiência e bons serviços.

A história
Tudo começou em 1976 quando dois jovens estudantes da Universidade do Arizona, Albert Leffler e Peter Gadwa, juntamente com Gordon Gunn, um experiente homem de negócios, e Charles H. Hamby Jr. fundaram na cidade de Phoenix a TICKETMASTER (em português algo como “Mestre dos Ingressos”) com o objetivo de comercializar ingressos para eventos esportivos, musicais e culturais utilizando um eficiente sistema de computador. Os dois estudantes idealizaram a nova empresa depois de estarem descontentes com a enorme dificuldade em comprar ingressos para espetáculos. A nova empresa estabeleceu sua primeira operação na cidade de Albuquerque no Novo México. Os primeiros ingressos vendidos pela TICKETMASTER foram para a apresentação da Electric Light Orchestra na Universidade do Novo México em 1977.


No ano seguinte a empresa fechou seu primeiro contrato internacional com clientes na cidade de Oslo na Noruega, além de garantir dois grandes contratos para comercialização de ingressos com o estádio Louisiana Superdome em Nova Orleans e o time de basquete profissional da NBA New Orleans Jazz (conhecido atualmente como Utah Jazz). No início da década de 80, a TICKETMASTER assinou contrato com o primeiro cliente canadense, o Centro Nacional de Artes (National Arts Centre) da cidade de Ottawa; além de estabelecer sua primeira operação internacional na Inglaterra em 1981. Pouco depois, em 1983, a empresa conseguiu assinar importantes contratos na cidade de Los Angeles para a comercialização de ingressos de grandes eventos como as apresentações da Orquestra Filarmônica de Los Angeles, e os jogos de basquete da equipe do L.A. Lakers e de hóquei no gelo do L.A. Kings.


Nos anos seguintes a empresa cresceu rapidamente, especialmente pelo fato de grandes promotores terem dado a exclusividade de vendas de ingressos para a TICKETMASTER. No final desta década, a TICKETMASTER estabeleceu operações no Canadá (1987) e na Austrália (1988). A década seguinte começou com a aquisição da rival Ticketron, que deu a empresa um amplo domínio de mercado. Em 1994 códigos de barras foram introduzidos nos ingressos da equipe de baseball do Cleveland Indians nos jogos realizados no estádio Jacobs Field. Pouco depois, a empresa foi uma das responsáveis pela comercialização dos ingressos para a Copa do Mundo de Futebol nos Estados Unidos, evento que foi um verdadeiro sucesso de público.


Em 1995 a empresa lançou sua página na Internet, que no ano seguinte realizou a primeira venda de ingressos pela Internet para jogos da equipe de baseball do Seattle Mariners. O enorme sucesso da empresa levou a abertura de capital na Bolsa de Valores em 1996. Nos anos seguintes, com a preocupação de facilitar seus clientes e o público, a TICKETMASTER introduziu, em 1998, o primeiro leitor de ingressos sem fio no estádio de Reunion Arena na cidade de Dallas. Nesta época, estabeleceu uma nova operação internacional com o lançamento de seus serviços no México.


Com a chegada do novo milênio, a empresa colocou a disposição de seus clientes mais um serviço que visava a comodidade na hora de adquirir um ingresso: TicketFast®, um serviço de entrega a domicílio, que estreou em Los Angeles no Staples Center. Pouco depois, em 2001, a TICKETMASTER estabeleceu operações na América do Sul com o lançamento de seus serviços no Chile, Argentina e Brasil. Nos anos seguintes a TICKETMASTER ingressou em novos mercados, lançando seus serviços na Alemanha, Espanha, China e Turquia. Além disso, introduziu novos serviços como o TicketmasterArts, especificamente desenvolvido e criado para o mercado das artes.


Recentemente, a TICKETMASTER, maior vendedora online de ingressos do mundo, e a Live Nation, maior promotora de shows no planeta – e responsável por uma venda de 45 milhões de ingressos por ano -, anunciaram uma gigantesca fusão. A operação, avaliada em US$ 2.5 bilhões, foi recebida com grande preocupação pela imprensa e profissionais do ramo, pois para muitos isso representará um verdadeiro monopólio destas empresas na venda de ingressos e promoção de artistas, eventos e shows em todo o mundo. Atualmente a TICKETMASTER tem diversas formas de atuação na vendas de ingressos: via Internet, via telefone e bilheterias, em pontos cadastrados.


A evolução visual
O logotipo da marca TICKETMASTER passou por pequenas modificações ao longo dos anos. A última ocorreu há mais de uma década quando o novo logo ganhou um visual mais dinâmico e moderno.


Dados corporativos
● Origem: Estados Unidos
● Fundação: 1976
● Fundador:
Albert Leffler, Peter Gadwa, Gordon Gunn e Charles H. Hamby Jr.
● Sede mundial: West Hollywood, California
● Proprietário da marca:
Live Nation Entertainment, Inc.
● Capital aberto: Não (subsidiária)
● Chairman: Terry Barnes
● CEO:
Irving Azoff
● Faturamento: US$ 1.49 bilhões (2009)
● Lucro: US$ 96.1 milhões (2009)
● Pontos de venda:
+ 7.100
● Presença global:
20 países
● Presença no Brasil:
Sim
● Funcionários:
6.600
● Segmento: Entretenimento ao vivo
● Principais produtos:
Venda e distribuição de ingressos
● Website:
www.ticketmaster.com

A marca no mundo
A TICKETMASTER, que opera em 20 grandes mercados mundiais (incluindo Estados Unidos, Inglaterra, Brasil, Canadá), vende e distribuí anualmente mais de 141 milhões de ingressos para eventos e espetáculos musicais, esportivos e culturais através da Internet, telefone e mais de 7.100 pontos de venda credenciados. A empresa possui uma infra-estrutura invejável que inclui 19 call-centers e mais de 6.600 funcionários. Calcula-se que a TICKETMASTER venda mais de 80% dos ingressos nas maiores casas de shows e estádios dos Estados Unidos.

Você sabia?
A TICKETMASTER serve mais de 10.000 clientes em vários segmentos de eventos, como arenas, estádios esportivos, museus, cinemas, teatros e ligas esportivas no mundo inteiro.


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Time), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers).

Última atualização em 10/4/2010

Leia mais: http://www.mundodasmarcas.blogspot.com

Gestão de Merchandising e Trade Marketing no PDV

18 de fevereiro de 2005 |
Consultoria em Trade Marketing e Merchandising (i-PDV Specialist)
Com 8 anos no mercado e profissionais com mais de 15 anos de experiência a equipe da MDM Brasil segue como uma das poucos agências no Mundo com foco 360º no Ponto de Venda, sendo ele ativo ou passivo (com ou sem ações promocionais).
Quando falamos em BTL temos que lembrar que 85% das decisões de compra são feitas no PDV e é onde estão se formando as grandes linhas de batalha. Onde antes tínhamos as divisões no mercado publicitário ATL (Above the line)e BTL Below the line hoje temos uma unificação da comunicação o que chamamos de TTL (True the line), isso indica que a mídia nos dias de hoje se preocupa muito mais com a comunicação no PDV do que antigamente, fazendo com que o consumidor se atraia somente pelas campanhas inteligentes e sacadas no ato da compra.
Criação de Materiais Inteligentes no Ponto de Venda (i-PDV)

A MDM Brasil possui uma equipe com profissionais especializados no desenvolvimento, pré-produção (protótipos e mock-ups) e no acompanhamento da produção de materiais de merchandising para Pontos de Venda. Aqui na agência um projeto não começa com a necessidade do cliente e sim do Shopper, criando um fluxo de informações muito mais dinâmico e inteligente. Aliando uma experiência de 15 anos no mercado promocional e a união do desenvolvimento e a produção dos materiais juntamente com a gestão destes processos, nossos clientes contam com economia, cumprimento de prazos, qualidade, e resultados. É 100% no comprometimento de uma ação de sucesso.

Relógio de parede Promocional, desenvolvido para Bunge Alimentos em material reciclado para campanha Bunge Pro.
Display de Chão construido em arame desenvolvido pela Agência MDM Brasil para Ajinomoto onde o formato das laterais possuem o apelo do ícone da marca Sazon que é o coração (exposição com preocupação em conceito e Branding).

Exemplo de materiais Promocionais para PDV

Displays (madeira, termoformados, injetados, acrílicos, arame etc);
Balcões Promocionais Especiais ou desmontáveis;
Bandejas para degustação ou demonstração;
Coolers Promocionais;
Faixas de Gôndola;
Stoppers e divisores de categoria;
Mobiles;
Broadsides;
Wooblers;
Stoppers;
Tira strip;
Precificadores;
Totens;
Topos de ilha;
Ilhas;
Pontas de Gôndola;
Janelas de Gôndola, etc.

Exemplo de Material de Ponto de Venda ” Cartazete Icetea” (Primeiro produto desenvolvido em conjunto Leão Jr e Coca Cola depois da fusão) material totalmente desenvolvido em computação gráfica com 3D das embalagens e ilustrações do fundo criados pela MDM Brasil


Trade Marketing – Gestão do Ponto-de-venda (i-PDV)
As empresas varejistas enfrentam diversas dificuldades no mercado. Para auxiliá-las a identificar e atender as necessidades dos seus mercados-alvo, assim como a se tornarem mais competitivas no mercado, a MDM BRASIL COMUNICAÇÃO auxilia os seus clientes na gestão do ponto-de-venda.
A metodologia da MDM BRASIL foi desenvolvida para ajudar a definir a melhor estratégia competitiva para o ponto-de-venda de forma integrada frente à linha de produtos, preços, disponibilidade de bens, comportamento de compra do consumidor, marcas, estoques, divulgação e outras variáveis que afetam os resultados do segmento varejista.
Visa-se, portanto, aumentar a rentabilidade e vendas das empresas, além de ajudar a fortalecer marcas e promover a fidelização de clientes.
Projeto Imobiliário de Trade Marketing para Mac Contrutora

Nossa prática de Gestão do Ponto-de-Venda (i-PDV) tem como foco os seguintes trabalhos:

* Análise do canal de venda;
* Análise do ponto-de-venda da concorrência;
* Análise do comportamento do consumidor no ponto-de-venda;
* Formulação do plano de divulgação, promoções e merchandising no ponto-de-venda;
* Formulação do plano de ação;
* Criação e desenvolvimento de materiais de merchandising para o ponto-de-venda.

Contate a MDM Brasil e agende uma visita.
(011) 4427.6373

Sobre o Autor: Renato Santhinon

18 de janeiro de 2005 |


  • Idade: 34
  • Sexo: Masculino
  • Signo astrológico: Capricórnio
  • Ano do zodíaco: Coelho
  • Atividade: Merchandising, Varejo, PDV
  • Profissão: Publicitário
  • Local: São Paulo / Brasil
  • Contato: renatosantinon@gmail.com

Quem é o Blogger:

Publicitário, Triathleta, Curioso incansável, Apple Maníaco, Dedicado ao que gosta e a quem ama, Vendedor nato, Especialista e Consultor em Merchandising com foco em PDV e Trade Marketing.

Livros favoritos:

  • A Estratégia do Oceano Azul
  • O Marketing na Era do Nexo
  • Merchandising no Ponto de Venda (Regina Blessa)